Teatro Feluma em seu segundo mês de funcionamento participa da 46ª Campanha de Popularização do Teatro & Dança

09/01/2020

Teatro Feluma em seu segundo mês de funcionamento participa da 46ª Campanha de Popularização do Teatro & Dança

Recém-inaugurado no início de dezembro do ano passado, o Teatro Feluma, com capacidade para 409 pessoas, já sediou colações de grau dos cursos de graduação da Faculdade Ciências Médicas MG e também o espetáculo “O palco Iluminado”; com apresentações que ocorreram em dois finais de semana, sendo um deles para convidados e outro aberto ao público em geral.

Agora, neste início de 2020, nos meses de janeiro e fevereiro, o Teatro está participando da 46ª Campanha de Popularização do Teatro & Dança e já faz parte do circuito cultural de Belo Horizonte.

 

Confira as peças em cartaz:

  • A comédia dos defuntos sem cova

O texto conta a história de um mendigo que mora numa cova de um cemitério em Belo Horizonte, onde recebe a visita de um amigo (também mendigo) do Rio de Janeiro, para passar o feriado de Finados. O texto propõe duras reflexões: a falta de moradia, a desigualdade social, o capitalismo como cerne das relações- tópicos discutidos sob uma situação cômica e surreal.

  • Diáfanos

Sobretudo, é preciso falar de amor. O espetáculo “Diáfanos” emergiu do encontro dos atores, Marco Perpétuo e Bruna Brandão, que dão vida a Samuel e Clarice. Personagens que estão ligados no tempo, para o tempo e com o tempo. Um espetáculo autoral, que tem como fio condutor, o afeto – em tempos sombrios.

  • As loucuras do meu anjo

Celeste é o anjo da guarda de Alex, mas ela é muito indisciplinada e o deixa cometer muitos pecados. Nisso, recebe um castigo: vai se tornar humana por um tempo para mostrar pra ele como que as coisas da vida são. Só que eles se apaixonam e muita confusão vai marcar a vida dos dois garantindo ao público inúmeras risadas.

  • 68

Espetáculo que aborda a ditadura militar em BH.

  • O homem do caminho

“O Homem do caminho” conta a história da personagem Iur, que tem três nomes, sendo que um deles é desconhecido pelo próprio Iur. É uma forma de enganar a morte, pois quando chegar a sua vez, ele não vai escutar o chamado. Iur é um cigano contador de histórias, que diverte os que estão à sua volta.

  • Os outros

Um inferno onde todo sofrimento é infligido pelo outro, pela incapacidade que cada um tem de fugir ao olhar e julgamentos alheios. A morte é a objetivação final. Não há como mudar a história. Este é o mote de “OS OUTROS”, baseado na obra “ Entre Quatro Paredes” de Jean Paul Sartre. Cada personagem vê no outro sua salvação. O poder de escolha de cada um é ao mesmo tempo uma liberdade e uma prisão, pois a escolha, apesar de flexível, é obrigatória.

  • O palco iluminado

Um neurocirurgião-ator decide aposentar o médico para tornar-se só ator; e convence um dramaturgo-diretor para escrever sobre Teatro e atuar nesse espetáculo. Os dois elegem o médico-dramaturgo-diretor e agora curador do Teatro Feluma para dirigir. Foi assim a origem do espetáculo Palco Iluminado. Claro que com tantos “opiniúdos” houve “arranca-rabos”. Mas é metateatro! O que contamos aqui é tudo verdade. Isto é…quase tudo!

 

Para saber mais, verificar as datas e horários dos espetáculos, como e onde comprar ingressos, acesse o site do Teatro pelo endereço www.teatrofeluma.org.br e vá em programação.

 

Contatos do Teatro:

  • Facebook: /teatrofeluma
  • Instagram: @teatrofeluma
  • Telefone: 31 3248-7250
  • E-mail: teatro@feluma.org.br
  • Endereço: Alameda Ezequiel Dias, 275 – 7º andar – Centro – Belo Horizonte – MG.

 

Voltar ao topo