• 19/03/2020

    A 3ª edição do “Curso Básico ao Fellowship em Glaucoma” realizada nos dias 6 e 7  de  março, na Faculdade Ciências Médicas-MG. Ofertado pelo Instituto de Olhos Ciências Médicas (IOCM), o curso abordou as principais pautas para a formação do especialista na doença. 

    O evento, que foi conduzido pelos organizadores Dr. Marcos Vianello e Dr. Tiago Prata, contou com a presença de especialistas no assunto, especializandos e residentes em glaucoma. O objetivo do curso é oferecer um nivelamento para a boa formação na área. “Quando os alunos ingressam na oftalmologia, existem cursos básicos que objetivam nivelar o ensino. Dessa maneira, os residentes que receberam uma educação heterogênea, com o introdutório, conseguem equiparar o conhecimento”, destaca Tiago Prata, professor do departamento de oftalmologia da Escola Paulista de Medicina.

    Para proporcionar uma visão aprofundada da doença, o curso prepara os especializandos para exercer a prática clínica. A formação introdutória foi ministrada para 41 participantes, alunos de diversas instituições. “O curso é importante por trazer conhecimentos essenciais sobre o glaucoma e ensinamentos fundamentais para minha atividade prática”, ressalta a residente Marina Santana Carvalho. 

    Com o objetivo de expandir o curso em outras localidades, Dr. Marcos Vianello, chefe do departamento de glaucoma e catarata do IOCM, explica: “os representantes da Sociedade Brasileira de Glaucoma viram no curso uma base fundamental que deveria ser replicada. Com esse objetivo, estamos começando a expandir pelo país  e a Ciências Médicas é referência no curso introdutório”.

    Durante o evento, mais de dez profissionais compartilharam conhecimentos e abordaram temas como identificação da doença, os exames para a detecção do glaucoma e as possibilidades de tratamento. 

    Além disso, os participantes puderam aprender sobre os procedimentos cirúrgicos, aspectos epidemiológicos, fatores de risco e a apresentação de casos clínicos. 

     

    SOBRE O GLAUCOMA

    Provocando lesões no nervo óptico, o glaucoma é causado pela pressão elevada  intraocular. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), aproximadamente 2,5 milhões pessoas são portadoras da doença. 

    Considerada a segunda maior causa de cegueira no mundo, ficando atrás da catarata, o glaucoma é uma doença silenciosa que afeta a visão lentamente. Em muito casos, a doença não apresenta os sintomas iniciais e o paciente só recebe o diagnóstico quando se está em estágio avançado.

    O glaucoma é detectado por meio de exame oftalmológico completo, incluindo a checagem da pressão intraocular, avaliação do nervo óptico, entre outros. Para um diagnóstico precoce e avaliação da saúde ocular, deve-se consultar o oftalmologista regularmente.

     

  • 16/03/2020

    Informe Feluma (Fundação Educacional Lucas Machado)

    A Feluma, mantenedora dos Institutos Ciências Médicas de MG, mediante decisão da Comissão Extraordinária, formada a partir de portaria para enfrentamento do Coronavírus, adota ações com base na necessidade de estabelecer medidas de prevenção ao contágio pelo novo coronavírus (COVID-19), em virtude da reclassificação recente como pandemia pela OMS (Organização Mundial de Saúde). Nesse contexto, entende ser fundamental conter a propagação e transmissão da infecção, e sobretudo preservar a saúde dos discentes, docentes, corpo clínico, pacientes e colaboradores da Instituição.

    Por isso, foram feitas as seguintes ações:

    – Suspensão, por duas (2) semanas, a partir do dia 16 de março (segunda-feira), das atividades acadêmicas dos quatro cursos de Graduação da Faculdade Ciências Médicas de MG;

    – Suspensão das aulas dos cursos de Pós-graduação no período de 16 a 31 de março. Os alunos serão informados da programação de cada curso pelos profissionais da Instituição;

    – Suspensão de eventos institucionais e acadêmicos;

    – Suspensão da programação cultural e científica do Teatro Feluma;

    Além das condutas descritas, a Feluma ressalta que mantém monitoramento diário e acompanhamento das medidas tomadas, visando atuar com celeridade diante do desdobramento e do cenário relacionado ao Coronavírus.

    Clique aqui e leia na íntegra a portaria emitida neste domingo, que dispõe sobre a nomeação de Comissão para o Enfrentamento da Pandemia do Coronavírus.

  • 12/03/2020

    Com o intuito de promover um curso de imersão em novas tecnologias na prática cirúrgica, foi realizado no Hospital Vila da Serra (HVS), no dia 15 de fevereiro, o I Workshop de Cirurgia Robótica em parceria com o Instituto de Cirurgia Robótica Ciências Médicas – MG.

    A abertura do Workshop foi feita pelo professor Dr. José Eduardo Távora, Diretor Técnico do Instituto de Cirurgia Robótica da Ciências Médicas – MG, que apresentou dados sobre a implantação do sistema robótico no Hospital.

    Durante o evento, mais de nove profissionais de renome compartilharam conhecimentos sobre o assunto. Entre os temas abordados, os palestrantes apresentaram as principais aplicabilidades da Cirurgia Robótica na Cirurgia Torácica e na Cirurgia Urológica.

    Além do conteúdo de relevância, profissionais especialistas, alunos da Pós-graduação, enfermeiros e instrumentadores discutiram sobre o que há de mais moderno no campo de cirurgia minimamente invasiva, debateram as diversas funcionalidades do sistema robótico e puderam assistir à apresentação de casos clínicos.

    Similar à uma cirurgia aberta convencional, a cirurgia robótica inova os procedimentos ao incorporar um método de máxima precisão, alcance em áreas de difícil acesso e visualização tridimensional. Em Minas Gerais, já foram realizadas mais de 1.500 procedimentos cirúrgicos de forma eficaz e assertiva, por meio do robô da Vinci® Surgical System .

    O programa de Cirurgia Robótica do HVS, desenvolvido em parceria com a Fundação Educacional Lucas Machado (Feluma), pioneira em Minas Gerais, completou três anos de atividade em setembro de 2019, com mais de 500 procedimentos realizados.

  • 11/03/2020

    A Nature/ Scientific Reports, uma das principais revistas científicas multidisciplinares do mundo, publicou, recentemente, estudo realizado pela médica e pesquisadora mineira, a endocrinologista Mônica Maria Teixeira, atualmente professora Adjunta da Faculdade Ciências Médicas de Minas Gerais.

    O trabalho, resultado de uma tese de doutorado, revela associação significativa e independente entre diabetes mellitus (DM) e pior desempenho em testes da função cognitiva na população brasileira de diferentes locais do país e com alta escolaridade.

    Segundo a profª Mônica, “em função do crescente envelhecimento populacional brasileiro, as doenças neurodegenerativas e endócrinas têm se tornado cada vez mais um problema de saúde pública. O estudo de fatores de risco que afetam o desempenho cognitivo, ao longo do curso de vida, é de grande importância para subsidiar ações e políticas públicas que prolonguem o início do declínio cognitivo e promovam o envelhecimento saudável.”

    O artigo pode ser lido na íntegra. Clique aqui.

  • 11/03/2020

    Os calouros da FCM-MG (1º semestre de 2020) dos cursos de Enfermagem, Fisioterapia, Medicina e Psicologia participaram, no dia 7 de março, da Recepção de Calouros, no edifício ao lado do Ambulatório Ciências Médicas, na Av. dos Andradas.

    A confraternização foi oferecida pela Faculdade Ciências Médicas – MG e teve como propósito integrar e recepcionar os novos alunos, tornando-se uma ótima oportunidade de descontração e integração.

     

    O evento contou com a participação das diretorias da Feluma (Fundação Educacional Lucas Machado) e da Faculdade, que saudaram os participantes e desejaram boas-vindas. Também houve a apresentação da bateria Batráquios, formada por alunos da FCM-MG, cujo repertório agradou e contagiou a todos.

     

     

    A festa foi recheada de muita música, dança, fotos, interação e alegria! Confira algumas imagens do evento:

Voltar ao topo