• 19/02/2014

    A Fundação Educacional Lucas Machado (FELUMA) por meio da pós-graduação Ciências Médicas, formaliza na terça-feira dia 18/02, a parceria com o Centro de Direito Educacional (CEDIN) para a realização do curso de extensão em Direito Médico e da Saúde, que tem seu início previsto para o dia 10 de março.

  • 19/02/2014

    O Ministério da Saúde formalizou no sábado, dia 15 de fevereiro, o repasse de R$ 4,3 milhões ao Hospital Universitário São José (HUSJ), por meio de parceria com a Fundação Educacional Lucas Machado (Feluma), responsável pela gestão da unidade de saúde. Os recursos serão utilizados para a renovação tecnológica e aquisição de equipamentos e materiais permanentes para o hospital, a fim de fortalecer o Sistema Único de Saúde (SUS).

  • 19/02/2014

    Na segunda-feira, dia 03/02, ocorreu um seminário referente ao Programa de Qualificação da Assistência Perinatal, promovido pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES).

    O Programa é direcionado aos profissionais da assistência perinatal, ambulatorial e hospitalar e tem como objetivo reforçar as ações para a redução da mortalidade materna e infantil no Estado.

    O curso será realizado pela mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, a Fundação Educacional Lucas Machado (FELUMA) e terá duração de 12 meses, atingindo cerca de 3 mil profissionais de todo o estado.

     

  • 19/02/2014

    Estão em andamento as obras de construção de mais dez leitos de CTI no hospital Universitário São José. O hospital que já possui 18 leitos, ficará ainda no primeiro trimestre de 2014 com 28 leitos de CTI no total, aumentando com isso sua capacidade de tratamento intensivo.

     

  • 17/07/2010

    TAXA DE JUROS

    COMO SERÁ: 6,5% ao ano

    ANTERIOR: Antes, até outubro de 2006, eram de 9%. Em seguida, até agosto de 2009, esteve entre 3,5% e 6,5%. Desde março de 2010, os juros são de 3,4% ao ano.

    JUSTIFICATIVA: Ministérios dizem que buscam “fortalecer a sustentabilidade do programa, para que, no médio prazo, novos alunos sejam financiados pelos formados”. Outra razão é corrigir distorção com o mercado de crédito.

     

    TETO DA RENDA FAMILIAR

    COMO SERÁ: Limite é a RPC de 2,5 salários mínimos (R$ 1970,00)

    ANTERIOR: Renda familiar bruta de 20 salários mínimos.

    JUSTIFICATIVA: “O FIES é para os estudantes que são mais pobres e precisam de financiamento. Não mais a família com renda de até R$ 15 mil que tem direito ao FIES. São valores mais baixos, mas que ainda atingem muitas pessoas”, afirmou o Ministro da Educação. O governo diz que 90% das famílias brasileiras estão no novo limite de renda.

     

    VALIDADE DAS MUDANÇAS

    COMO SERÁ: Mudanças só valerão para os próximos contratos.

    JUSTIFICATIVA: “Você não pode mudar um contrato por vontade unilateral. O governo firmou um contrato com milhões de estudantes com determinadas regras e essas regras serão mantidas e respeitadas”, disse o ministro Renato Janine Ribeiro.

     

    NOTAS MÍNIMAS NO ENEM

    COMO SERÁ: Alunos precisam de 450 pontos na média do Exame Nacional de Ensino Médio – ENEM e nota diferente de zero na redação.

    ANTERIOR: A mudança passou a valer para contratos firmados neste ano. Antes, só era preciso ter prestado o exame.

    JUSTIFICATIVA: A iniciativa busca aumentar o nível dos profissionais formados com apoio do financiamento público, de acordo com o governo.

     

    CLASSIFICAÇÃO E PRÉ-SELEÇÃO

    Candidatos que possuem ENEM terão 90% das vagas e serão classificados de acordo com a nota do Exame.

    Quem não possui ENEM – SOMENTE QUEM CONCLUIU O ENSINO MÉDIO ANTES DE 2010 – terá direito a 10% das vagas.

     

    PRIORIDADES PARA CURSOS DE TRÊS ÁREAS

    COMO SERÁ: As áreas de Engenharias, Licenciaturas, Normal Superior, Pedagogia e Saúde serão prioritárias.

    ANTERIOR: Não havia definição de critério.

    JUSTIFICATIVA: Cursos são considerados estratégicos para o desenvolvimento do país ou para atendimento de demandas sociais. Alunos de outros cursos continuarão a ser atendidos.

     

    CURSOS COM NOTAS ALTAS TERÃO PRIORIDADE

    COMO SERÁ: Foco serão os cursos com notas 5 e 4 no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES.

    ANTERIOR: MEC exigia avaliação positiva no SINAES. No primeiro semestre, passou a adotar o critério; cursos com nota 4 ou 5 somaram 52% dos financiamentos.

    JUSTIFICATIVA: Ministério diz que cursos com nota 3 no SINAES ainda serão financiados, mas em patamares menores do que os das áreas consideradas prioritárias.

     

    PRIORIDADE PARA TRÊS REGIÕES DO BRASIL

    COMO SERÁ: Será priorizado o atendimento de alunos matriculados em cursos nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste (excluindo o Distrito Federal).

    ANTERIOR: Não havia recorte de prioridade para regiões ou estados. 60% dos contratos eram com estudantes de estados do Sul ou Sudeste e Distrito Federal.

    JUSTIFICATIVA: Ministério diz que decisão se soma a “outras várias políticas sociais federais que buscam corrigir as desigualdades regionais”. Alunos de outros estados continuarão a ser atendidos, mas em patamares menores do que os das áreas consideradas prioritárias.

     

    UNIVERSIDADES DARÃO DESCONTO EM MENSALIDADES

    COMO SERÁ: Instituições participantes vão oferecer um desconto de 5% sobre a mensalidade para os estudantes com contrato do FIES.

    ANTERIOR: Estudante pagava a mensalidade mais barata cobrada na instituição pelo curso.

    JUSTIFICATIVA: “O governo é um grande comprador de cursos pelo FIES. Ao ser um grande comprador ele deve se beneficiar de descontos que são dados de modo geral quando você compra em grandes quantidades. Calculando 5%, quer dizer que três mil vagas das 61,5 mil são geradas por essa nova economia”, afirmou o Ministro.

     

    PRAZO PARA PAGAMENTO

    COMO SERÁ: Três vezes a duração do curso

    ANTERIOR: Até 2010, era de duas vezes a duração.

     

    Fontes:  G1 / MEC

Voltar ao topo