• 30/01/2019

    A Pós-graduação Ciências Médicas – MG manifesta profundo pesar e se solidariza com os familiares, amigos, professores e colegas pela perda irreparável da ex-aluna Marcelle Porto Cangassu (do curso de especialização em Medicina do Trabalho), vítima da tragédia pelo rompimento na barragem em Brumadinho.

    Com sentimento de tristeza, a Pós-graduação Ciências Médicas – MG lamenta constar, na lista oficial de desaparecidos, o aluno Luis Felipe Alves do curso de Higiene Ocupacional.

  • 28/01/2019

    O Fibroscópio, que acaba de chegar ao Hospital João XXIII, é um aparelho fibronazo de grande importância nos exames de urgência, principalmente, na retirada de corpo estranho, hemorragia digestiva, hemorragia de via aérea ou alguma outra obstrução das vias aéreas superiores.

    O João XXIII, que é o maior hospital de trauma de Minas Gerais, contava até então com um único aparelho deste tipo, já demandando constantes manutenções. O novo Fibroscópio foi doado pela Feluma, Fundação Educacional Lucas Machado, que é parceira do Hospital há 30 anos. O Diretor Geral do João XXIII, Sílvio Grandinetti Júnior, ressaltou a importância desta doação: “Isso é um benefício para os pacientes que nos procuram. A parceria com a Feluma é excelente, a fundação sempre marcou presença nos momentos de comemoração e também nos mais difíceis. Além disso, o hospital é um campo de aprendizado para os alunos da Faculdade Ciências Médicas, sempre acolhidos de portas abertas”.

    O diretor da Faculdade Ciências Médicas, professor José Celso Guerra, também ressaltou a importância desta parceria. “ Temos o internato de medicina de urgência feito aqui no João XXIII há mais de 30 anos. Eu fui um aluno da faculdade que participou, de maneira curricular, deste internato aqui no hospital e isso acontece ano a ano. O hospital é como uma extensão nossa”.

    Ainda de acordo com o professor José Celso, o ensino de medicina de urgência da Faculdade tem boa parte dele baseado na rotina do hospital, e é um conhecimento tão importante que os alunos não vão para este internato de maneira optativa, é um estágio curricular.  O aluno tem que cumprir esta carga horária no João XXIII para se formar pela Faculdade Ciências Médicas. O professor falou ainda, do orgulho, de participar deste momento de conquista para hospital, pacientes e alunos.

    “A doação deste equipamento para o João XXIII, a partir desta parceria, me deixou muito feliz. É um ato de nobreza ímpar que contribuirá para salvar muitas vidas”.

     

  • 16/01/2019

    Os depoimentos de quem faz parte desta equipe, trabalha, estuda ou é egresso da instituição demonstram o orgulho de cada um em fazer parte desta história. Uma história contada a partir do trabalho da Feluma, Fundação Educacional Lucas Machado, mantenedora da Faculdade Ciências Médicas, cujo foco é a formação dos melhores profissionais, com base no alto padrão de ensino, que conta com corpo docente titulado e experiente, estrutura completa para aprendizado e vivência prática que utiliza recursos inovadores como laboratório de simulação realística, disciplina de cirurgia robótica, intercâmbio internacional.

    Quando perguntamos, “por que estudar aqui?“, a diferentes personagens desta história de sucesso, temos como proposta escrever com o depoimento de cada um, novos capítulos. São experiências, afirmações e memórias que respondem de forma singular, mas ao mesmo tempo refletindo um sentimento coletivo: o orgulho de fazer parte das Ciências Médicas – MG e o quanto se constrói uma trajetória profissional bem embasada.


    Depoimento do Dr. Carlos André / Unifesp

     

    Depoimento da Profa. Tatiane Bacelar / FCM-MG

  • 09/01/2019

    A especialização para 2019 do Instituto de olhos Ciências Médicas ofereceu 8 vagas e a concorrência superou as expectativas da equipe, com 20 candidatos por vaga. Anualmente, alunos de várias partes do Brasil participam do edital, todos interessados em fazer a especialização na clínica do Instituto, que oferece grande volume de casos diversificados, preceptores pós-graduados e qualidade no atendimento prestado.

    O diretor técnico da clínica, doutor especialista em glaucoma, Fábio Kanadani e ex-aluno da Faculdade Ciências Médica, explica que o instituto além de ter o maior serviço de atendimento SUS de Minas Gerais, oferece um dos melhores cursos de especialização do país, certificado pelo CBO (Conselho Brasileiro de Oftalmologia).

    Hoje na clínica 46 alunos fazem residência, ou subespecialização, também chamada de fellowship, em praticamente todas as subáreas da oftalmologia. Uma das vantagens de um atendimento 100% SUS neste aprendizado é o volume de pacientes. Um residente chega a operar até 150 pacientes por ano, sem falar na oportunidade de ver sempre casos novos, diversos e desafiadores. Há cerca de 600 atendimentos por dia e 400 cirurgias por mês, dando aos médicos a chance de concluir o curso com uma visão geral da especialidade.

    Para os alunos da Faculdade Ciências Médicas, o Instituto também é uma grande oportunidade de aprendizado. As turmas de 3º e 4º anos têm na grade curricular disciplinas nas áreas de oftalmologia e utilizam o espaço da clínica para a prática, além disso a faculdade oferece também a cadeira optativa em oftalmologia, que segundo o professor e diretor técnico Fábio Kanadani, bateu recorde de procura pelos alunos.

    “Em 2018 foram 44 alunos de optativa. O primeiro curso de especialização foi em 2102, com 4 alunos voluntários, hoje a gente tem grande procura e consegue selecionar os melhores, que acabam exigindo muito dos que estão aqui, o que é bom, porque quanto melhor o aluno, mais qualificado tem que ser o preceptor e a Instituição como um todo”, explica Fábio Kanadani.

    O diretor geral do Hospital Universitário Ciências Médicas, Dr. Antônio Martins, destacou ainda que a clínica possui a melhor estrutura do Estado, e como uma instituição filantrópica, está sempre reinvestindo na modernização e qualidade do serviço. “Em 2018, foi investido na clínica cerca de 1 milhão e meio de reais o que contribui para a modernização e infraestrutura da unidade”.

  • 20/12/2018

     

    O Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional homenageou, em sessão especial na Câmara Municipal de Belo Horizonte, no último dia (4), a Associação Mineira de Fisioterapeutas e todos os seus presidentes pelos 50 anos da entidade. No evento estavam presentes em torno de 100 pessoas.

    Os professores da Faculdade Ciências Médicas, Rafael Duarte Silva e George Schayer Sabino, que já presidiram a Associação, e a professora Janaine Cunha Polese, atual presidente, foram homenageados com uma medalha temática ao cinquentenário da entidade.

    Representando a AMF, a professora Janaine Polese recebeu ainda, das mãos do presidente do CREFITO-4, Dr. Anderson Coelho, uma placa em homenagem à importante data.

    A Faculdade Ciências Médicas oferece graduação em Fisioterapia desde o ano de 1969, logo após a sua regulamentação.

     

    Sobre a Associação Mineira Fisioterapia:

    A AMF foi fundada em 6 de novembro de 1968, e desde então teve um papel importantíssimo no processo de regulamentação da Fisioterapia. A homenagem foi um reconhecimento por todo o serviço prestado ao longo desses 50 anos por seus representantes.

     

Voltar ao topo