• 24/04/2019

    A 8ª edição da “Run for Parkinson”, corrida organizada pela Associação de Parkinsonianos de MG que aconteceu na Praça da Savassi no dia 14 de abril, reuniu cerca de 1.200 participantes e contou com o apoio dos alunos do projeto de extensão da Faculdade Ciências Médicas, “Viva Melhor com Parkinson”, do Estágio supervisionado em fisioterapia aplicada às disfunções neurológicas e do Neuroeixo.  A professora, Raquel Lana, que coordena o projeto de extensão e é uma das orientadoras do Neuroeixo, também esteve presente dando suporte ao trabalho.

    Os alunos ajudaram os corredores com o aquecimento, antes da prova, com informações sobre a importância da atividade física no tratamento da doença e também com orientações gerais sobre o mal de Parkinson.

    O evento foi dividido em três modalidades: 10 km e 5 km de corrida e 3 km de caminhada. Muitos pacientes com Parkinson participaram correndo, outros caminhando com ajuda de andador ou acompanhantes, mas para todos o importante foi participar desta iniciativa de inclusão que também fez um apelo à solidariedade.

    Sobre a Doença de Parkinson

    O Parkinson é a segunda doença neurodegenerativa mais comum, depois da doença de Alzheimer, e sua prevalência aumenta a partir dos 60 anos de idade. No Brasil, estima-se uma incidência de 3,3%. Os principais sintomas da doença são bradicinesia (lentidão do movimento), rigidez, tremor, instabilidade postural e déficits na marcha. Ainda não existe uma cura e o manejo da doença é essencialmente medicamentoso. A fisioterapia e a atividade física regular são de grande importância para minimizar os sintomas da doença, com evidências de melhora da força muscular, do equilíbrio, da marcha e da qualidade de vida do paciente.

     

  • 22/04/2019

    Cátedra Lucasiana Faculdade Ciências Médicas 2019: “Conheça a instituição onde você trabalha, ensina e aprende”.

    Realizada na primeira semana de abril, o primeiro encontro de 2019 da Cátedra Lucasina Feluma/Ciências Médicas de Minas Gerais reuniu alunos e funcionários para uma aula sobre a Feluma e todos os institutos que ela abrange. Uma noite marcada pela história das Ciências Médicas retratada em diferentes fases: dos pilares da criação, ao futuro marcado por inovações como a robótica. O passado e o presente de uma instituição vitoriosa prestes a completar 70 anos de trabalho dedicados à promoção da educação e da saúde.

    Neste contexto, o tema ”Conheça a Instituição onde você trabalha, ensina e aprende” cumpriu seu papel ao mostrar a riquezahistórica, apresentada pelo catedrático professor Doutor Geraldo Magela Gomes da Cruz, possibilitando ao público vivenciar por meiode fotos e documentos cada etapa da construção e evolução da Ciências Médicas de Minas Gerais.

    A Instituição começa como um sonho em 1950, do Dr. Lucas Machado, que já em 1951 inaugura a Faculdade Ciências Médicas, dentro da Santa Casa de Belo Horizonte. No período de 1950 a 1970, destaque para a primeira turma de médicos formados em 1956, passando pela criação da mantenedora e dos cursos de Fisioterapia e Terapia Ocupacional, até a mudança para a nova sede na Alameda Ezequiel Dias.

    As décadas de 80 e 90 marcam a segunda fase com a criação do auditório, do ambulatório, do internato rural, a aquisição do Hospital Universitário São José e a reforma e revitalização do prédio da Faculdade entre 1987 e 1995. Mas, foi a partir de 2005 que todo este complexo ganha extraordinário impulso colocando as Ciências Medias de Minas Gerais na vanguarda da educação do Brasil. A Feluma, Fundação Educacional Lucas Machado, promove grandes mudanças nas instituições já existentes, a Faculdade, Pós-graduação, Ambulatório e Hospital Universitário Ciências Médicas passam por ampliação e modernização. E neste cenário de crescimento e expansão, novos institutos começam a fazer parte da Feluma, os Institutos de Olhos e Agos.

    Na segunda parte da Cátedra Lucasiana, lideranças de cada uma das instituições também subiram ao palco para apresentar um pouco do trabalho realizado. O primeiro a falar foi o vice-diretor da Faculdade Ciências Médicas, professor Rafael Duarte Silva, que representou o diretor professor José Celso Cunha Guerra Pinto Coelho, depois foi a vez do Diretor Geral da Pós-graduação Ciências Médicas, Professor Antônio Vieira Machado, seguido pelo diretor geral do Hospital Universitário, Ambulatório e Instituto de Olhos Ciências Médicas, Dr. Antônio Carlos de Barros Martins. Deram continuidade às apresentações a diretora do Instituto Agos, Ana Carolina Giulianetti, e o Consultor do Instituto Feluma, Professor Fausto Pereira dos Santos.

    O primeiro encontro da Cátedra Lucasiana 2019 foi finalizado pelo presidente da Feluma, Dr. Wagner Eduardo Ferreira, que também é o diretor geral da Cirurgia Robótica Ciências Médicas. Ele chamou atenção para o pioneirismo e a importância da robótica, não só para a instituição como para o estado de Minas Gerais, e falou ainda sobre conquistas e os próximos desafios que incluem a conclusão do Teatro da Faculdade e a ampliação do Ambulatório. O presidente da Feluma também destacou que não só pela história, mas pelos números e resultados que comprovam a eficiência e o comprometimento das Ciências Médicas com a excelência dos serviços prestados.

    Certificados de Curadoria

    Na programação do evento, foi feita a entrega, ao Prof. Geraldo Magela Gomes da Cruz, do Certificado de Curadoria do Centro de Memória Ciências Médicas de Minas Gerais, ambiente que será inaugurado em maio, e o prof. e dramaturgo Jair Raso foi agraciado com o Certificado de Curadoria de Arte e Cultura da Feluma, tornando-se responsável pela Curadoria do Espaço Cultural Ciências Médicas, previsto para ser inaugurado no próximo ano.

    Participaram da Cátedra alunos, professores e funcionários da Instituição. Todos tiveram a oportunidade de conhecer mais sobre a trajetória da instituição e aspectos importantes sobre os Institutos e, principalmente, conhecer a história de como a Faculdade Ciências Médicas surgiu, a origem da FELUMA, e as fases pelas quais passou, tornando-se uma Instituição reconhecida e valorizada no cenário atual.

     

    Uma instituição sem memória é uma instituição sem história. E uma instituição sem história está fadada a cometer, no presente e no futuro, os mesmos erros do passado.”

    Emília Viotti Costa (28/02/1928 – 02/11/2017)

     

    Clique para acessar as fotos da Cátedra Lucasiana 2019 – 1º encontro.

  • 12/04/2019

    A Fundação Educacional Lucas Machado – Feluma, mantenedora da Ciências Médicas, estabeleceu parceria com a Santa Casa de Montes Claros, com o objetivo de oferecer pós-graduação na área da saúde e a realizar processos seletivos do hospital para residência médica e especialização hospitalar.

    O Superintendente da Feluma, Flávio Amaral, destaca que essa iniciativa possibilita unir educação e ensino em prol do aprimoramento profissional voltado à melhor assistência ao paciente. Para o superintendente Maurício Sérgio, a parceria entre as duas instituições trará mais benefícios para a região. “Com a infraestrutura do IPEIC (Instituto de Pesquisa e Ensino Imaculada Conceição – IPEIC, mantido pela Santa Casa de Montes Claros) e com a experiência da Feluma, teremos a oportunidade de contribuir cada vez mais para o desenvolvimento educacional na área da saúde na região. Essa contribuição será muito significativa uma vez que Montes Claros é o sexto maior município de Minas Gerais em população residente e considerada polo de desenvolvimento da região norte do estado, desempenhando um importante papel como centro urbano comercial, industrial e de prestação de serviços”, explica.

    Durante a reunião em que foi celebrada a parceria e feita a assinatura do contrato, em 08 de abril, estavam presentes: o diretor Administrativo e RH, Alex Fabiano Vieira, o Superintendente, Maurício Sérgio, ambos da Santa Casa, e da Feluma Flávio de Almeida Amaral, Superintendente Geral, e os pesquisadores Dr. Fausto Pereira dos Santos e Dr. Francisco Carlos Cardoso de Campos.

  • 08/04/2019

    O Congresso Europeu de Endoscopia Gastrointestinal, realizado pela Sociedade Europeia de Endoscopia Gastrointestinal (ESGE), tem o objetivo de zelar pela qualidade do atendimento, estabelecer diretrizes para as melhores práticas e desenvolver programas educacionais.

    Durante o evento, realizado de4 a 6 de abril, na cidade de Praga, República Tcheca, a Faculdade Ciências Médicas – Minas Gerais foi representada pelo prof. José Celso Cunha Guerra Pinto. Também estavam presentes o médico Marcelo Lima, egresso da FCM-MG, formado em 2006, e a aluna da pós-graduação Ciências Médicas, Layce Teixeira, que foi ao congresso apresentar um trabalho.

    O congresso reuniu médicos e especialistas de diversos países e apresentou programação interativa e relevante para todos os membros da equipe de endoscopia (enfermeiros, residentes, médicos e líderes de área).

    Durante o Congresso: Dr. Marcelo Lima, egresso da FCM-MG, prof. José Celso, e a aluna da pós-graduação Ciências Médicas, Dra. Layce Teixeira.

     

  • 08/04/2019

    Os alunos da LAN, Liga Acadêmica de Neurologia da FCM-MG, estiveram no Parque Municipal de Belo Horizonte para levar até as pessoas informações sobre o AVC, Acidente Vascular Cerebral. O objetivo é conscientizar a todos sobre os fatores de risco do AVC ou popularmente denominado “derrame”, transmitir informações de como fazer um diagnóstico precoce e abordar sobre a prevenção, de uma forma bem prática.

    Nas abordagens, realizada em 06 de abril, os alunos entregaram uma cartilha, elaborada por eles, contendo as orientações. O material foi elaborado sob a orientação do professor da Faculdade, Gustavo Daher, que é neurologista e um dos fundadores da AMAVC, a Associação Mineira do AVC.  Além da entrega da cartilha, os alunos também conversaram com as pessoas sobre a doença e explicaram como usar o “SAMU” para identificar o AVC e garantir o diagnóstico precoce. A sigla significa S de sorria (peça para dar um sorriso pois a boca torta pode ser um sinal), A de abrace (a perda de força em um dos braços pode ser outro sinal), M de música (pedir para a pessoa cantar ou falar, pois a dificuldade de fala também pode ser um sinal) e U de urgente (ligar para o SAMU 192).

    O importante deste trabalho é fazer com que as pessoas entendam que quanto mais rápida for a identificação do “derrame”, mais rápido pode ser o atendimento, diminuindo o risco de mortalidade e de sequelas. Além disso, os alunos também trabalham a prevenção do AVC, explicando a importância da alimentação saudável, da atividade física, do controle adequado da pressão arterial e diabetes e também do risco relacionado ao tabagismo.

    Sobre a AMAVC

    É uma associação de pessoas da comunidade que promove várias atividades de conscientização, além de dar suporte às vítimas do AVC. No dia 29 de outubro, é comemorado o Dia Mundial de Combate ao AVC, e a AMAVC sempre organiza, em BH, eventos para lembrar a data e a importância da informação.

    Em 2018, os alunos da Faculdade Ciências Médicas se envolveram nas atividades do Dia Mundial junto com a AMAVC e daí surgiu o projeto de extensão aprovado pela faculdade. Um projeto inovador feito com a comunidade, em praças e parques, e que envolve todos os alunos da Liga de Neurologia da FCM-MG.

Voltar ao topo