• 04/02/2019

    Durante o mês de janeiro, mais de 300 pacientes de fisioterapia foram atendidos no ambulatório da Ciências Médicas, por egressos e estudantes da Faculdade.

    O ambulatório Ciências Médicas, além de prestar atendimento exclusivo a pacientes do SUS, também é uma importante unidade de estágio para os alunos da Faculdade. O local funciona o ano inteiro e atende cerca de 6 mil pessoas por mês, em diferentes especialidades e só para as atividades em janeiro, quando os funcionários entram em férias coletivas, junto com o recesso escolar. Mas, este ano parte do atendimento foi mantido, a fisioterapia optou por manter o atendimento dos casos em tratamento.

    Para isso, a direção do ambulatório resolveu contratar dois fisioterapeutas temporários e chamou egressos da faculdade para a missão. Ex-alunos atenderam, prontamente, ao convite das Ciências Médicas para assumir esta importante tarefa.

    Um dos egressos contratados foi a fisioterapeuta Bruna Luiza, que se formou na Faculdade Ciências Médicas em 2016. Ela conta que o telefonema da coordenadora do curso, Janaine Polese, foi uma surpresa e a experiência no ambulatório, agora como profissional, marcante. “Alegria maior impossível, poder assumir uma atividade que exige tanta confiança e qualificação. Foi muito gratificante retomar o contato com os pacientes e aproveitar para matar saudades”.

    O trabalho durante todo o mês de janeiro, com pacientes em recuperação, contou também com a atuação do fisioterapeuta egresso, Breno Belchior e de quatro estagiários da graduação de fisioterapia da Faculdade Ciências Médicas e foi considerado pela coordenadora Janaine um sucesso.

    Foram feitos, em média, 20 atendimentos por dia na clínica de fisioterapia do ambulatório Ciências Médicas. Todas indicados por professores das áreas que avaliaram a necessidade da continuidade do tratamento. São pacientes da ortopedia, neurologia e neuropediatria.

     

  • 31/01/2019

    A Faculdade Ciências Médicas recebe, a partir de 4 de fevereiro de 2019, a exposição “Dr. Célio de Castro: aliviar, cuidar e prevenir”, em homenagem ao ex-prefeito e médico Célio de Castro, apresentando o seu acervo pessoal, composto por publicações, fotografias, anotações, condecorações e diplomas, dentre outros itens. A mostra fará referência à vida do “Dr. Célio de Castro” como médico, contando um pouco da sua história.

    Formado em 1958, ele atuou como médico ao longo de praticamente toda sua vida, nas áreas de Clínica Médica e Medicina de Urgência.

    Ex-presidente do Sindicato dos Médicos de Minas Gerais, foi eleito deputado federal por duas vezes (em 1986 e 1990) e reconhecido pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP) como um dos “Deputados Nota Dez”, com forte atuação nos campos sociais e da saúde.

    Em 1996, foi eleito prefeito de Belo Horizonte, sendo reeleito no ano 2000, quando já era reconhecido como um dos melhores prefeitos do Brasil.

    Esta exposição homenageia não só o cidadão, o médico e o político Célio de Castro, mas principalmente o homem que dedicou sua vida a melhorar a vida de outras pessoas!

  • 30/01/2019

    A Pós-graduação Ciências Médicas – MG manifesta profundo pesar e se solidariza com os familiares, amigos, professores e colegas pela perda irreparável da ex-aluna Marcelle Porto Cangassu (do curso de especialização em Medicina do Trabalho), vítima da tragédia pelo rompimento na barragem em Brumadinho.

    Com sentimento de tristeza, a Pós-graduação Ciências Médicas – MG lamenta constar, na lista oficial de desaparecidos, o aluno Luis Felipe Alves do curso de Higiene Ocupacional.

  • 28/01/2019

    O Fibroscópio, que acaba de chegar ao Hospital João XXIII, é um aparelho fibronazo de grande importância nos exames de urgência, principalmente, na retirada de corpo estranho, hemorragia digestiva, hemorragia de via aérea ou alguma outra obstrução das vias aéreas superiores.

    O João XXIII, que é o maior hospital de trauma de Minas Gerais, contava até então com um único aparelho deste tipo, já demandando constantes manutenções. O novo Fibroscópio foi doado pela Feluma, Fundação Educacional Lucas Machado, que é parceira do Hospital há 30 anos. O Diretor Geral do João XXIII, Sílvio Grandinetti Júnior, ressaltou a importância desta doação: “Isso é um benefício para os pacientes que nos procuram. A parceria com a Feluma é excelente, a fundação sempre marcou presença nos momentos de comemoração e também nos mais difíceis. Além disso, o hospital é um campo de aprendizado para os alunos da Faculdade Ciências Médicas, sempre acolhidos de portas abertas”.

    O diretor da Faculdade Ciências Médicas, professor José Celso Guerra, também ressaltou a importância desta parceria. “ Temos o internato de medicina de urgência feito aqui no João XXIII há mais de 30 anos. Eu fui um aluno da faculdade que participou, de maneira curricular, deste internato aqui no hospital e isso acontece ano a ano. O hospital é como uma extensão nossa”.

    Ainda de acordo com o professor José Celso, o ensino de medicina de urgência da Faculdade tem boa parte dele baseado na rotina do hospital, e é um conhecimento tão importante que os alunos não vão para este internato de maneira optativa, é um estágio curricular.  O aluno tem que cumprir esta carga horária no João XXIII para se formar pela Faculdade Ciências Médicas. O professor falou ainda, do orgulho, de participar deste momento de conquista para hospital, pacientes e alunos.

    “A doação deste equipamento para o João XXIII, a partir desta parceria, me deixou muito feliz. É um ato de nobreza ímpar que contribuirá para salvar muitas vidas”.

     

  • 16/01/2019

    Os depoimentos de quem faz parte desta equipe, trabalha, estuda ou é egresso da instituição demonstram o orgulho de cada um em fazer parte desta história. Uma história contada a partir do trabalho da Feluma, Fundação Educacional Lucas Machado, mantenedora da Faculdade Ciências Médicas, cujo foco é a formação dos melhores profissionais, com base no alto padrão de ensino, que conta com corpo docente titulado e experiente, estrutura completa para aprendizado e vivência prática que utiliza recursos inovadores como laboratório de simulação realística, disciplina de cirurgia robótica, intercâmbio internacional.

    Quando perguntamos, “por que estudar aqui?“, a diferentes personagens desta história de sucesso, temos como proposta escrever com o depoimento de cada um, novos capítulos. São experiências, afirmações e memórias que respondem de forma singular, mas ao mesmo tempo refletindo um sentimento coletivo: o orgulho de fazer parte das Ciências Médicas – MG e o quanto se constrói uma trajetória profissional bem embasada.


    Depoimento do Dr. Carlos André / Unifesp

     

    Depoimento da Profa. Tatiane Bacelar / FCM-MG

Voltar ao topo